Terceira Guerra Mundial, crise no Brasil e autodestruição. Como salvar o mundo?

Vivemos tempos nebulosos. O Brasil enfrenta uma das maiores crises políticas e econômicas já vistas, com alto índice de desemprego e recessão aguda, além de registrar queda abrupta no consumo e na produção. Ainda querem dificultar o acesso à aposentadoria com a reforma da PrevidênciaA contragosto de muitos, aprovaram a lei da terceirização, que permite terceirizar todas as atividades das empresas. Como se não bastasse, há um projeto de lei que visa proibir os professores de emitirem opinião em sala de aula, intitulado Escola Sem Partido. Fora do país a situação também é tensa. Há quem acredite que o ataque dos EUA à Síria levará a uma Terceira Guerra Mundial. Em meio à essa instabilidade visível e profunda, à explosiva insatisfação social e ao crescimento vertiginoso da intolerância e do sectarismo, a paz se torna a maior necessidade humana. 

 

Foto: uma flor pela paz. Manifestação em Washington contra a Guerra do Vietnã, no ano de 1967. Foto: Marc Riboud

 

 
LIDANDO COM MÁS NOTÍCIAS  
 
Na era das redes sociais, somos bombardeados de informação a todo instante. Entre os assuntos em voga, estão atos de violência, assaltos, roubos, etc. De que forma as notícias de cunho negativo contaminam o ambiente e mexem com nossas emoções? Como podemos mudar isso? Para esclarecer o assunto, ouvimos o médico porto-alegrense Enio Burgos, 54 anos, físico, discípulo e divulgador do trabalho do monge budista Thich Nhat Hanh por mais de vinte anos, fundador da Editora Bodigaya e da Associação Meditar (entidades que difundem a prática de meditação) e autor dos livros “Medicina Interior, a Medicina do Coração e da Mente” e “Autoencontro – Vida em Plena Contentamento”. 
 
 
O mundo é apenas um espelho de como somos sutilmente, daquilo que temos como conteúdo em nossa mente“, diz Enio Burgos, na foto em um templo no Japão, quando representou o país na Conferência Budista Internacional 
 
A FORÇA DO BEM
 
Para Burgos, as más notícias geram, certamente, medo, desespero e sensações negativas de impotência, banalização e desesperança. “Não são bons alimentos para a nossa mente. No entanto, não devemos viver ingenuamente, achando que o mundo é perfeito e que nada nos acontecerá”, enfatiza. “Todos sabemos que o foco sobre o lado negativo vende mais e por isso é manchete. Na verdade, ao invés de nos entregarmos à negatividade jogada nas manchetes, precisamos nos lembrar que elas são menores do que as boas notícias cotidianas”, lembra.

 

“Há bandidos sim e bem atuantes por toda parte, que são a turma do ‘quanto pior, melhor’, porém, há um imenso contingente de pessoas boas, que trabalham honestamente pelo bem e pelo melhor. O bem é maioria avassaladora. Precisamos ter mais confiança e avançar nesta direção”, ensina.

“Não precisamos nos preocupar em mudar o mundo fora de nós, mas sim o mundo interior, pois o que vemos aqui fora é apenas um reflexo direto do que trazemos internamente”– Enio Burgos.

MENTE SÃ, CORPO SÃO
 

Diante da situação atual e de tantas más notícias, há muita energia negativa que paira ao nosso redor no dia a dia. Essas interferem em aspectos emocionais, espirituais, físicos e mentais, evitando que encontremos a tranquilidade, gerando doenças e desiquilíbrios como ansiedade, angústia e depressão. Sabemos que a medicina tem por finalidade cuidar dos males do corpo, mas quando se fala em medicina do interior, qual seria o objetivo? Burgos explica que a medicina ocidental apenas muito recentemente tem se interessado por aprofundar a compreensão das reais causas das doenças. 

Segundo Burgos, a emoção do “apego” está em grande excesso nos dias de hoje. “Não é à toa que aumentam os transtornos psíquicos, a ansiedade e a depressão, bem como o câncer e os suicídios”, aponta
 
“O corpo doente ainda é o foco, porém, estamos avançando na compreensão de que o corpo adoece não meramente por problemas mecânicos nos órgãos, mas que as patologias que apresentamos têm uma causa que não se esgota no corpo, pois ele manifestaria desequilíbrios de ordem mais sutil, ou seja, na mente das pessoas”, esclarece. “Em outras palavras, as pessoas adoecem devido a desequilíbrios emocionais, que interferem na dimensão física”, conclui. 
 
VIGIE SEUS PENSAMENTOS

Conforme o médico, as emoções e os pensamentos estão fortemente relacionados com o desencadeamento, surgimento e evolução das patologias. Por exemplo: uma pessoa está perfeitamente sadia quando, de repente, encontra um desafeto, alguém que ela odeia e com que imediatamente trava uma discussão nada amistosa. 

“A raiva, a irritação com aquele encontro repulsivo imediatamente dispara sintomas de rinite que acabam em poucas horas em febre e tosse. O corpo estava bem, em equilíbrio, mas foi afetado pela emoção e manifestou uma enfermidade. Esta relação é bem maior, bem mais frequente do que este mero exemplo ilustrativo”, compreende. 

 

De acordo com Burgos, “aquilo que cultivamos na mente, os pensamentos, geram emoções que disparam, modulam e mobilizam fluxos metabólicos e reações poderosas no organismo capazes de, rápida ou insidiosamente, causarem o afloramento de alguma enfermidade”. 

LIVRO ‘MEDICINA INTERIOR’
Assim, cada tipo de emoção, sentimento e pensamento tende a gerar determinados tipos de enfermidades. “É isso que tendo apresentar no livro ‘Medicina Interior, a Medicina do Coração e da Mente’, o caminho através do qual pensamentos e emoções causa as doenças e dificuldades da vida”, sugere.
Nesta publicação, Burgos descreve a influência de cada tipo de emoção (apego, aversão, indiferença, inveja-ciúmes, orgulho-soberba, etc.) e as suas manifestações


RUMO À AUTODESTRUIÇÃO

“Observando-se o caminho que segue a humanidade, não nos parece que vamos em direção à autodestruição?”, questiona. Para ele, ao menos é o que pode acontecer se não pararmos com o ataque destrutivo às demais espécies que estamos perpetrando apenas para que retiremos os “recursos naturais” necessários para promover hábitos consumistas.

QUER SALVAR O MUNDO? MEDITE!
 
A meditação e a mente atenta são os antídotos para os males que estamos manifestando na atualidade. “Esta prática promove a higiene da mente, a limpeza do apego, da aversão, da indiferença e etc. semelhante a como fazemos para, todos os dias, remover as impurezas acumuladas em nosso corpo tomando um banho”, fala. 
  Nos EUA, uma escola substituiu o castigo por meditação. No Canadá, policiais também recorrem à prática. Foto: Shutterstock
 
Pessoas de todas as idades testemunham os benefícios da meditação. “Relaxando o corpo, a mente também relaxa e se acalma. Uma mente confusa, perdida, tende a criar mais confusão. Uma mente equilibrada e lúcida tende a espalhar maior compreensão e paz”, finaliza.

 

SAIBA MAIS 

 

Dr. Enio Burgos é responsável pelos centros médicos CeMas/SAE/DST/HIV/Aids de Santa Cruz do Sul (RS). “Para tentar colaborar no sentido de as pessoas interessadas em se tornarem mais conscientes e equilibradas, fundei a Associação Meditar, que ensina as pessoas a iniciarem a prática de meditação”, convida. Há retiros periódicos que são divulgados pelo Facebook da Rádio AM de Santa Cruz ou pelo seu Facebook pessoal.

Sobre o autor

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues, estudante de Jornalismo, criador de conteúdo, repórter e fotógrafo.

Saiba mais

Comentários (1):

Deixe um comentário