Campeões dos esportes aquáticos

A canoísta Bruna Domingues e o nadador paralímpico Maurício Scota acumulam títulos a nível nacional e internacional

Quantas coisas já disseram que você não seria capaz de fazer? Em meio às dificuldades, podemos encontrar nos desafios o combustível que nos move adiante. Confiar, agir e acreditar em si mesmo são peças-chave para vencer e superar obstáculos em busca de nossos sonhos. Com este pensamento, estes atletas foram além do que a condição imposta pela vida predeterminava, sendo exemplos de luta, coragem e perseverança. A canoísta Bruna Domingues, 19, e o nadador paralímpico Maurício Scota, 26, já conquistaram importantes prêmios e colocações em competições desportivas nacionais e internacionais. Confira na reportagem.

ESTRELA DA CANOAGEM

A multicampeã da canoagem cachoeirense Bruna Vitória Rodrigues Domingues, 19, acumula mais de 50 títulos, incluindo três brasileiros e três sul-americanos. No esporte há seis anos, Bruna Vitória já é campeã estadual de canoagem, 12 vezes campeã brasileira, campeã da Copa do Brasil de Canoagem, tricampeã sul-americana e detentora do melhor tempo no Brasil para a raia de 200 metros. Atleta revelada pela Associação Cachoeira de Canoagem e Ecologia (ACCE) e integrante da Seleção Brasileira de Canoagem, a jovem saiu do Bairro Cristo Rei para vencer competições em países como Equador (2015), Argentina (categoria júnior, 2016) e Colômbia (sub-23, 2017).

“Minha maior alegria é quando estou no lugar mais alto do pódio e sei que todo meu esforço valeu a pena”, diz Bruna, em foto com medalhas do Campeonato Sul-americano, na Colômbia. Foto: Reprodução/ Divulgação

Além de acumular participações em Copas do Mundo na categoria sênior, na Alemanha e Portugal, em 2015, Bruna Vitória ficou em 18º lugar em campeonato na Bielorrússia (Europa) na categoria júnior em 2016 e alcançou a 15ª colocação na categoria sub-23 em Bascov, Romênia, no ano passado. Também conquistou um título pan-americano em 2016, nos Estados Unidos, sagrando-se campeã nas modalidades K1 200, K1 500 e K2 200. Mas, para ela, a conquista mais importante que obteve foi o troféu na categoria mérito esportivo na 50ª Noite dos Destaques, a incentivo do Lions Clube Cachoeira do Fandango. Durante a solenidade promovida pelo Jornal do Povo na Sociedade Rio Branco em dezembro último, Bruna Vitória recebeu homenagem em reconhecimento por seus feitos no esporte.

A maior meta da canoísta é disputar os Jogos Olímpicos de 2020, em Tóquio, no Japão, sendo tratada como uma promessa brasileira de medalha. Contudo, ela comenta que uma de suas maiores dificuldades é a distância da filha de três anos nestas viagens e a falta de patrocínio na cidade. “Um apoio que todo atleta precisa”, resume.

COMO TUDO COMEÇOU

Em um acampamento com a família na Praia Nova, Bruna despertou o interesse pelo esporte ao ver o irmão (Ronaldo Rodrigues Domingues, 21) e seus amigos remando no Rio Jacuí. Assim, decidiu conhecer o projeto de canoagem, presidido à época pelo diretor da Secretaria Municipal do Desporto, Edson das Neves Júnior. “Tive o prazer de receber o convite para fazer parte desse esporte que hoje é parte da minha vida”, fala Bruna Vitória, que treina rigorosamente de segunda-feira a sábado nos períodos da manhã e da tarde com direito a exercícios na água, academia de ginástica e corrida.

FERA DA NATAÇÃO

Há oito anos, o paratleta e acadêmico de Educação Física Maurício Scota, 26, teve de amputar a perna esquerda após um acidente de trânsito e passou a usar prótese, fazendo-o desistir do sonho de ser jogador de futebol. Mas ele sequer poderia imaginar que faria sucesso na natação, acumulando importantes conquistas em sua carreira. Natural e residente de Candelária (RS), Scota conquistou quatro medalhas de ouro no Open Paulista de Paranatação, ocorrido em setembro último em Bauru (SP), na Arena ABDA, vencendo nas provas 100 metros peito, 50 metros livre, 200 metros medley e 100 metros costas.

“Estamos em busca de baixar o tempo para conquistar as melhores provas com o melhor desempenho e, assim, fazer parte das Paralimpíadas de Tóquio”, adianta o nadador Maurício Scota, medalhista de ouro no Open Paulista de Paranatação. Foto: Reprodução/ Divulgação

SUPERANDO LIMITES

Entre suas principais conquistas estão: primeiro lugar nos Jogos Intermunicipais do Rio Grande do Sul para Pessoas com Deficiência (Parajirgs) nas provas 50 metros livre, 50 metros costas e 100 metros livre no ano de 2014 em Porto Alegre e terceiro lugar na prova 100 metros costas na Fase Regional Rio/Sul Circuito Brasil de Natação em Curitiba (PR) em 2015. No ano seguinte obteve primeiro lugar em 100 metros livre e segundo lugar nas provas de 50 metros livre e 50 metros costas nos Jogos Universitários Brasileiros em Cuiabá (MS), onde fez parte da primeira equipe paralímpica de natação.

Scota ocupou a quinta posição nos 100 metros costas no Circuito Caixa Loterias etapa nacional em 2016, em São Paulo, e ficou entre os 20 primeiros colocados na prova 200 metros adulto na 6ª Travessia a Nado de Cachoeira do Sul, disputada em fevereiro do ano passado no Rio Jacuí. Em novembro último, subiu ao pódio do Meeting Cearense de Natação Paralímpica com primeiro lugar na prova 100 metros costas e segundo lugar em 100 metros livre. Ainda fechou 2017 com a quinta posição no ranking brasileiro na prova dos 100 metros costas, conforme classificação do Comitê Paralímpico Brasileiro.

A nível mundial, classificou-se para a etapa final B em segundo lugar com o melhor tempo e colocação no top 10 na prova dos 100 metros costas no Open Internacional Loterias Caixa de Atletismo e Natação, realizado em São Paulo, no CT Paralímpico, em abril último. Agora, o atleta se prepara para atender o calendário anual de competições oficiais do Comitê Paralímpico Brasileiro, com provas que deverão ocorrer em Porto Alegre e São Paulo, e para disputar os Jogos Paralímpicos de Tóquio, em 2020.

Para isso, Scota faz treinamento de alto rendimento seis vezes por semana na piscina e na academia de ginástica com o acompanhamento da treinadora Priscila Lassen. “Quando iniciei na Educação Física na Unisc fiz a disciplina de natação. Gostei muito e após o término recebi muitos elogios da professora Ursula Müller. Ela me incentivou a continuar a nadar, e minha família sempre esteve presente ao meu lado, em todos os momentos, me apoiando e me incentivando”, enfatiza. Nas sextas-feiras, o atleta viaja à capital gaúcha para treinar no clube Grêmio Náutico União (GNU).

CURIOSIDADES

Em 2016, Maurício Scota participou do revezamento da tocha olímpica em Santa Cruz do Sul. “Foi um momento muito especial para mim, pois fiz uma pequena parte das Olimpíadas Rio 2016”, descreve.

O atleta ilustrou a campanha do vestibular de verão da Unisc em outubro último. Scota aparece em um vídeo promocional de 30 segundos de duração junto de dois estudantes – sendo um destes o cachoeirense Janderson Jacques – e em outro de dois minutos em que conta a sua história de vida até chegar à graduação. “Espero poder ajudar pessoas que têm alguma limitação e até mesmo aquelas que não têm para que acreditem em seu potencial vendo que nada é impossível, e que é possível sim ingressar na educação superior”, conclui.

 

Foto de capa: Maurício Scota (Comitê Paralímpico Brasileiro/ Flickr).

Fonte: Revista Linda (Edição 122 – março de 2018 / adaptado).

Texto: Gabriel Rodrigues

Revisão: Marielle Rodrigues de Oliveira

Sobre o autor

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues, estudante de Jornalismo, criador de conteúdo, repórter e fotógrafo.

Saiba mais

Deixe um comentário