5 passos simples para começar a meditar ainda hoje

Conheça os benefícios da meditação comprovados pela ciência

A meditação é uma prática milenar realizada por milhões de pessoas em diversas culturas no mundo. Este exercício envolve mente, corpo e alma, capaz de diminuir a ansiedade, relaxar e propiciar uma vida mais consciente, plena e equilibrada, pois o foco é o momento presente. A meditação e a mente atenta são os antídotos para os males que estamos manifestando na atualidade. É o que afirma o médico porto-alegrense Enio Burgos, 54, físico, discípulo e divulgador do trabalho do monge budista Thich Nhat Hanh por mais de vinte anos, fundador da Editora Bodigaya e da Associação Meditar (entidades que difundem a prática de meditação) e autor dos livros “Medicina Interior, a Medicina do Coração e da Mente” e “Autoencontro – Vida em Plena Contentamento”.

Segundo Burgos, a meditação promove a higiene da mente, a limpeza do apego, da aversão, da indiferença, entre outras emoções e atitudes negativas. A prática deste exercício espiritual se assemelha a um banho, removendo as impurezas acumuladas em nosso corpo. Quer prova maior do que essa? Aprenda 5 passos simples para começar a meditar ainda hoje:

PASSO A PASSO PARA MEDITAR

1. Encontre um lugar calmo, onde não seja incomodado e tenha o mínimo possível de distrações. Deixe o ambiente acolhedor, ajustando a temperatura e a iluminação, perfumando o recinto com aromas ou incensos, ou áudio de meditação guiada

2. Sente-se confortavelmente e traga a mente para junto do corpo e da respiração. A mente para de divagar, de estar longe, se prestamos a atenção na respiração. Respire de modo profundo, porém suave, e foque a atenção no movimento da sua respiração. Realmente perceba o movimento do ar em sua inspiração e expiração. Enquanto fazemos isso, ativamente, buscamos relaxar o corpo. Relaxando o corpo, a mente também relaxa e se acalma

3. Ao soltar o ar, solte com a sua intenção toda e qualquer tensão, tudo que está preso e bloqueado em você. Solte sua resistência e vá relaxando cada vez mais profundamente. Inspire o ar novo e permita que ele vá preenchendo o espaço deixado por todos os sentimentos e pensamentos negativos que você soltou na expiração. Então traga a sua intenção de se renovar e inspirando as novas possibilidades, percepções e experiências

4. Em seguida, precisamos não aderir aos pensamentos que surgem, mas observá-los, torná-los conscientes, por exemplo: isto é o meu apego, esta a minha aversão, e assim vamos percebendo o nosso mundo interno. A meditação irá dissolver as nossas sementes de energia de apego, aversão, indiferença e etc. paulatinamente, e isso ajudará a melhorar o nosso equilíbrio emocional beneficiando a nossa saúde física de modo muito amplo

5. Afirme para si mesmo sua intenção de mergulhar mais profundamente em suas emoções de forma clara e verdadeira. Respire profundamente e relaxe ainda mais. Perceba a sensação de paz e segurança. Sinta-se acolhido e protegido

Fonte: Enio Burgos e Personare

!

Agradeça a si mesmo por esta oportunidade de relaxar e entrar em contato consigo mesmo e lentamente venha retornando sua atenção para o aqui e agora. Quando se sentir preparado, abra os olhos, completamente desperto e presente. Não há limites rígidos, de poucos minutos até horas, porém, considera-se cerca de 40 minutos por dia como sendo o ideal para obter resultados a longo prazo. De preferência, praticar quando se está tranquilo e num local também calmo, porém, não obrigatoriamente. O exercício pode ser feito durante o dia ou à noite.

Postura de meio-lótus: consiste em cruzar as pernas e colocar apenas um pé sobre a coxa, enquanto o outro permanece sob a outra coxa. Foto: Reprodução/ Divulgação

O PODER DA MEDITAÇÃO SEGUNDO A CIÊNCIA

Diversos estudos ao redor do mundo têm mostrado que a meditação é capaz de moldar o cérebro e comprovado seus benefícios. Até mesmo um iniciante pode mudar sua estrutura cerebral em apenas oito semanas e regular suas emoções com apenas 40 minutos de meditação por dia. Tal conclusão foi obtida a partir de um estudo chamado “Neuroimaging” (Neuroimagem, na tradução), publicado na revista Psychiatry Research em 2011. O trabalhou analisou 16 pessoas, com idades entre 25 e 55 anos, que participavam do “Mindfulness-Based Stress Reduction” (MBSR), o programa de treinamento desenvolvido há mais de 30 anos por Jon Kabat-Zinn, professor de medicina e diretor fundador da Clínica de Redução do Estresse e do Centro de Atenção Plena em Medicina da Universidade de Massachusetts, nos EUA.

Nos exames realizados no fim do programa, o cérebro dos não treinados não apresentou alterações, já nos praticantes, a massa cinzenta (onde ocorre a transmissão e recepção das informações) mostrou-se bem mais espessa do que era antes, em várias regiões. Uma delas é o hipocampo, cujas atividades têm relação com a aprendizagem, a memória e a regulação das emoções. Estudos anteriores já haviam mostrado que pacientes que sofrem de depressão e transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) apresentam pouca massa cinzenta no hipocampo. Outra diferença substancial foi notada no cerebelo (região relacionada à regulação das emoções) na junção têmporo-parietal e no córtex cingulado posterior do cérebro dos meditadores (áreas ligadas à empatia e à assunção da perspectiva de outra pessoa).

Para a principal autora da pesquisa, Britta Hölzel – pesquisadora do Massachusetts General Hospital e da Universidade de Geissen, na Alemanha -, essas alterações podem indicar que a meditação aprimora a capacidade de regular as emoções, controlar os níveis de estresse e sentir empatia por outras pessoas. “Acho que o que é realmente positivo e promissor sobre esse estudo é que ele sugere que nosso bem-estar está em nossas mãos”, afirma. Britta também comentou a evidência, reforçada por seu trabalho, da “plasticidade” do cérebro, pela qual ele pode mudar de forma com o tempo: “O que eu considero fascinante é que apenas prestar atenção de um modo diferente e estar mais consciente podem ter um impacto capaz de mudar a estrutura da nossa mente”, conclui.

Mudanças no cérebro após meditação podem ser vistas por ressonância magnética: atividade normal (esquerda) e durante a meditação (direita). As cores quentes representam maior atividade cerebral na região do córtex cingulado anterior do cérebro, associada a vários distúrbios mentais, como déficit de atenção, depressão e esquizofrenia. Com a meditação, os praticantes apresentam melhoras no humor, níveis reduzidos de raiva, ansiedade e fadiga, além de níveis mais baixos de cortisol, o hormônio do estresse. Foto: Reprodução/ Divulgação

Que tal começar a meditar agora? Confira o áudio abaixo. Depois, conte-nos sua experiência.

 

“Uma mente confusa, perdida, tende a criar mais confusão. Uma mente equilibrada e lucida tende a espalhar maior compreensão e paz. O mundo, visto por este viés, é apenas um espelho de como somos sutilmente, enfim, daquilo que temos como conteúdo em nossa mente. Não precisamos nos preocupar em mudar o mundo fora de nós, mas sim o mundo interior, pois o que vemos aqui fora é apenas um reflexo direto do que trazemos internamente” – ENIO BURGOS.

Fonte de pesquisa: Revista Planeta/ Portal Terra

Foto de capa: Reprodução/Divulgação

Arte: Gabriel Rodrigues

Sobre o autor

Gabriel Rodrigues

Gabriel Rodrigues, estudante de Jornalismo, criador de conteúdo, repórter e fotógrafo.

Saiba mais

Deixe um comentário